Busca
Associação Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho | Ir para página inicial

Publicações

Perspectivas de Gerenciamento da Diversidade no Trabalho Doméstico

Publicado em : 10/03/2017

Autor : Amália Raquel Pérez*

Farei uma paródia do capítulo que escrevemos sobre Diversidade Cultural no Contexto Organizacional. A relação de desigualdade existe tanto no trabalho quando no ambiente doméstico. Isto posto. Esta relação tem mudado nos últimos 10 anos? Muito pouco. Nos últimos 30 anos? Também não, pelo menos os dados do DIEESE, que datam a partir de 1985 tem se mostrado bastante estáveis, infelizmente. Não acredito que os espaços de trabalho da mulher continuam estáveis nos últimos 30 anos, mas as mudanças ainda são pouco perceptivas por diversos motivos e mostram que a discriminação de sexo ainda é bastante presente.

Gostaria, assim, de colocar algo que sempre aparece em sala de aula e em pesquisas (e.g. Instituto Avon) quando vamos falar de sexismo: um viés curioso chamado "melhor do que a média", na prática isso quer dizer, todos sabem que o machismo existe, mas raros se percebem praticando-o, outro ponto é quando por vezes percebemos discursos reproduzidos onde nós mulheres também discriminamos, evidentemente não é um comportamento consciente, mas como todo processo discriminatório, é aprendido de forma muito arraigada e afetiva. Raras mulheres que trabalham aceitariam se casar com um homem que não trabalha e quer cuidar da casa. Igualmente, mulheres raramente casam com um homem que ganha 1/10 do que ela ganha, os homens responderiam sim para ambas opções. Também não aceitamos bem o trabalho masculino em casa, nem nos cuidados com as crianças. Resolvemos esta dissonância cognitiva com o discurso de que “ah, mas ele não sabe, ele não dá conta, ele...” e mantemos os papéis clássicos do homem e da mulher na casa (arranjo que aparece até em casais homossexuais), no trabalho... e ainda culpamos os homens ou “a sociedade” desconsiderando que somos parte dela. Veja, que fique claro que não estou dizendo que a violência doméstica ou que a discriminação contra nós é culpa nossa, não é isso (não tenho nenhum instinto masoquista). Estou dizendo que também devemos refletir sobre pontos.

Portanto, sugiro que comecemos a mudar a perspectiva de gerenciamento da diversidade doméstica: mudando em casa, se pode mudar fora de casa. O ambiente familiar é um primeiro e bastante arraigado espaço de relações de gênero. Não só na relação homem-mulher, mas também mãe-filho, irmãos. Hoje ainda estamos na perspectiva da Discriminação-e-Justiça. Ou seja, é um pensamento que está por trás dos tradicionais esforços de ação afirmativa, algo como: “vamos fazer com que ele faça algo em casa”. Mas esta perspectiva é limitada, pois ele só joga o lixo fora sem se dedicar às atividades que levam mais tempo, trabalho e demandam mais treinamento. Poderíamos evoluir para a perspectiva do Acesso-e-Legitimidade, nela, o mote está na aceitação e celebração das diferenças. Vamos entender que homens e mulheres são diferentes e podemos valorizar o jeito de cada um ser, do ponto de vista doméstico: muitas vezes valorizamos a higiene ao invés da brincadeira, mas em que nível de fato isso é mais importante? A perspectiva mais contemporânea e progressiva em diversidade cultural é Aprendizagem-e-Efetividade onde se pode falar da perspectiva da integração que vai além de reconhecer e valorizar a diferença. Demanda certo trabalho no início, em especial de planejamento, entendimento, diálogo e vontade de trabalhar junto para decidir quem faz o quê e quem quer aprender a fazer o quê (portanto, levará seu tempo e precisamos estar abertos aos erros). E você? Que perspectiva de diversidade você tem adotado? Como ela tem funcionado nas suas relações domésticas e fora de casa?

Gostaria de agradecer aos comentários de Hugo Sandall, Marina Kohlsdorf e Fabiana Queiroga.

 

*Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília, com estágio sanduiche na Universidade Autónoma de Madrid. No Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) sou professora do Programa de Pós-graduação em Psicologia, na linha de pesquisa de saúde, onde oriento mestrados, leciono e desenvolvo pesquisas na área de saúde no trabalho. Atuo nas áreas de psicologia do trabalho, psicologia social aplicada, organizacional e do consumidor. Meus interesses incluem absenteismo e presenteísmo, adoecimento e violência no trabalho, bem estar sustentável e enfrentamento do estresse no trabalho, adotando uma abordagem metodológica mista (qualitativa e quantitativa). Sou associada à SBPOT desde a sua fundação e fiz parte da Comissão Científica do VII CBPOT

Artigos

Counseling Organizacional

22/03/2017 Dionízio Costta Jr.
Dionízio Costta Jr.*

As contribuições da Ergonomia da Atividade para a Realização de Diagnósticos na Perspectiva da Saúde do Trabalhador

14/03/2017
Marina Greghi Sticca*

O que a Psicologia Organizacional e do Trabalho tem a dizer sobre a crise?

01/03/2017
Profa. Eveli Freire de Vasconcelos

Psicologia Militar: Panorama Atual

17/02/2017
Prof. Dr. Marcos Aguiar de Souza

Preservação da saúde e prevenção de acidentes de trabalho: a urgência da Psicologia nesse contexto

05/08/2016
Profª Drª Magda Macedo Madalozzo

Empreender em psicologia: uma opção para a carreira profissional do psicólogo?

29/07/2016
Prof Renatto Marcondes

A Importância de buscar entender a cultura de um país: Provérbios Africanos para as Organizações e para a Vida!

26/05/2016
Manoel Alves dos Santos

É possível aprender em cursos a distância?

20/05/2016
Profa. Dr. Thais Zerbini, (Psicologia FFCLRP/USP)

A Aposentadoria sob duas perspectivas e o Exercício Profissional do Psicólogo

13/05/2016
Prof. Dr. José Carlos Zanelli

O todo é maior que a soma das partes

26/04/2016
Elisa Ribeiro 

Diversidade, inclusão, tolerância e valorização no Brasil.

14/04/2016
Cláudio Torres (UNB - Universidade de Brasília)

O difícil retorno ao trabalho após um afastamento por transtornos mentais e comportamentais

08/04/2016
Hilda Alevato (NEST – Núcleo de Educação e Saúde no Trabalho)

The Double Edged Sword of Attribution Biases

01/04/2016
Kate Horton (Erasmus University, Rotterdam, the Netherlands)

Formas de Trabajar y Repertorios de POTs

28/03/2016
Erico Renteria (Universidad del Valle, Cali, Colombia)

A Falta do Psicólogo da Saúde Ocupacional na Equipe de Segurança do Trabalho

21/03/2016
Liliana A. M. Guimarães (UCDB/MS)